Home Diversos Exatos 15 anos atras, Paulista de Jundiaí Campeão da Copa do Brasil, você se lembra?

Exatos 15 anos atras, Paulista de Jundiaí Campeão da Copa do Brasil, você se lembra?

por Nilton Castelo

O 0 a 0 registrado no dia 22 de junho de 2005 foi o empate sem gols mais especial da história do Paulista com toda certeza. Pois neste dia, esse placar decretou o título mais importante de toda existência do Galo. O placar em branco no estádio de São Januário, contra o Fluminense, fez o Tricolor do Jardim Pacaembu levantar o troféu de campeão da Copa do Brasil, segundo título mais importante do futebol brasileiro. Era a consagração do Paulista que no ano anterior foi vice-campeão estadual. Na série final entre tricolores, o Galo venceu por 2 a 0, placar do jogo de ida, uma semana antes no Jayme Cintra.

Com isso o Paulista disputou pela primeira vez uma competição internacional de forma oficial: a Copa Libertadores, contra os grandes times da América do Sul.

Curiosamente, para chegar à conquista o Paulista superou apenas equipes da primeira divisão nacional  naquela temporada- Juventude, Botafogo, Internacional, Figueirense, Cruzeiro e Fluminense.

O jogo

Atuando com quatro meio-campista com grande poder de marcação, o Paulista começou defendendo sua vantagem e evitou a tradicional pressão inicial com uma eficiente linha de impedimento. Nos primeiros 12 minutos foram seis impedimentos do ataque do Flu.

O primeiro momento de perigo do time carioca aconteceu aos 17 minutos, quando Juan cobrou falta lateral e Rafael espalmou para escanteio. Três minutos depois, Diego Souza arriscou de fora da área, a bola desviou na zaga e saiu.

Ainda em busca de um lance mais agudo, o Fluminense quase marcou o primeiro aos 25 minutos. Diego Souza arrancou e chutou cruzado. Por muito pouco, no entanto, Tuta não conseguiu desviar de carrinho a bola para o gol.

Um minuto depois, Preto cobrou falta e o zagueiro Antônio Carlos, cabeceou para o chão. A bola quicou e Rafael conseguiu espalmá-la para fora.

O Paulista pouco atacava, pois queria era mesmo defender a sua grande vantagem,.

Precisando de gols, o Fluminense voltou para o segundo tempo com três atacantes. O centroavante Léo Guerra, ex-Volta Redonda, entrou no lugar de Diego Souza (que na época atuava como volante).

Aos 5 minutos, Tuta girou na frente da zaga, mas se enrolou na hora de arrematar. O lance prosseguiu e Juan chutou com perigo.

Só que o Paulista teve uma chance de ouro aos 13 minutos. Em contra-ataque, Márcio Mossoró ganhou a disputa de Fabiano Eller e quase surpreendeu Kléber com um leve toque na bola.

Um minuto depois, o goleiro salvou o Paulista. Juan aproveitou-se de uma falha de Lucas e chutou cruzado. No reflexo, Rafael pulou e espalmou.

A principal chance do Fluminense foi desperdiçada aos 32 minutos. Toró cruzou, Leandro dominou no peito, ajeitou e quase na pequena área mandou por cima do travessão.

Os 13 minutos finais foram apenas de tranquilidade para o Paulista que conseguia segurar a bola no campo de ataque, fazendo seu torcedor pouco se assustar.

E a torcida do Galo virou gigante no Rio de Janeiro no apito final de Leonardo Gaciba para começar uma festa que somente terminou na noite seguinte em Jundiaí.

Por Thiago Batista (Esporte Jundiaí)/// Fotos: Arquivo

0 Comentário(s)
1

Você pode gostar

Deixe um comentário