Home Esporte Presidente Abdalla diz que novo técnico e comissão estão próximos e fala sobre as trocas de comando no time

Presidente Abdalla diz que novo técnico e comissão estão próximos e fala sobre as trocas de comando no time

por Mauricio Camargo

O presidente José Armando Abdalla Jr. afirmou hoje (7) que o novo treinador da Ponte Preta e comissão técnica estão muito próximos de ser anunciados. “Estamos nas tratativas finais e acredito que muito em breve deveremos anunciar. Também devemos anunciar em breve o nome do diretor de futebol estatutário, cargo que está vago no momento”, pontua o dirigente, sem revelar nomes.

Questionado pela imprensa em relação à demissão do técnico Mazola, sobre a qual já falou ontem, Abdalla Jr. esclarece o porquê dela não ter ocorrido logo após o fim do jogo contra o Bragantino, quando a equipe perdeu por 2 a 1 –  a segunda derrota sob o comando do ex-treinador em cinco jogos (os demais resultados foram dois empates e uma vitória).

“No dia do jogo não é um dia para se tomar decisões, você tem de avaliar melhor. A pior coisa é ter de demitir um funcionário seu em quem se depositou grandes expectativas. Você precisa de um tempo para, dentro da sutileza que é o ambiente do futebol, ter a convicção de que está fazendo o melhor para a Ponte. Era uma questão de chegar a um consenso entre a diretoria e a palavra final tem de partir do presidente por uma questão de hierarquia. E achamos, por uma série de coisas, até para poupar o Mazola, que a saída seria o melhor para o momento. Houve esse tempo, mas não me arrependo de ter amadurecido e interpretado as sutilezas que se apresentam dentro do futebol da Ponte.”

O dirigente também rebate afirmações sobre excesso de troca de técnicos em sua gestão e explana um pouco sobre o tema. “Quando eu assumi como presidente, já tinha um técnico aqui na Ponte, o Eduardo Baptista, contratado pela gestão anterior. E o ano passado, nem preciso salientar, foi  atípico, com uma série de percalços. Posteriormente à saída do Eduardo, trouxemos de volta do Doriva, que já tinha passado pela Ponte e deixou lá atrás um pré-acordo, com uma série de ingerências que não vale a pena falar. O Doriva acabou não ficando”, relembra.

Foi então a vez de Brigatti que, enfatiza Abdalla, não foi demitido. “Ele era o auxiliar da casa e solicitou demissão, era funcionário daqui, e só tenho boas referências. Nós tentamos melhorar a situação com o Chamusca e, se permitem o trocadilho, quem ficou chamuscado fomos nós, a diretoria. Depois o Kleina deu certo e foi unanimidade entre todos. O nosso desejo para 2019 seria o Kleina, mas, por várias razões, não houve a possibilidade de acordo na época”, conta.

O presidente conclui sobre o tema: “Fomos ao mercado, que estava escasso, e apontamos para o Mazola, que há 15 anos vinha fazendo um trabalho digno, é um grande pontepretano,  mas infelizmente os resultados não aconteceram e por isso optamos pela demissão.”

Abdalla faz ainda questão de esclarecer a questão dos salários, que estão rigorosamente em dia. “O que ocorreu foi em relação aos funcionários, porque por dificuldades com verbas que são comuns nos meses de dezembro e janeiro a um time de futebol, atrasamos o salário de dezembro e o mês passado. Fizemos um acordo com os funcionários, via sindicato da categoria, para pagar em fevereiro o salário integral, bem como as férias e o 13º. A data limite era hoje e foi pago ontem”, diz.

0 Comentário(s)
0

Você pode gostar

Deixe um comentário